sábado, 5 de junho de 2010

Luislinda Valois: Mulher para quem exigimos respeito

-
Luislinda e o Preconceito
maio 15th, 2010
Da coluna Tempo Presente (A Tarde)

Depois de ter aparecido na novela Viver a Vida, da Globo [Rede Globo de televisão], dando um emocionado depoimento sobre as agressões racistas que sofreu ao longo da vida e de como as superou até tornar-se ([em] 1984) a primeira juíza negra do Brasil, a baiana Luislinda Valois voltou a ser alvo de preconceito, ironicamente, justo por estar no cenário novelesco.

Participou da festa de encerramento de Viver a Vida ao lado do elenco. Ontem [14 de maio 2010], o site da Rádio Banda B, de Curitiba, exibiu fotos do evento. Numa delas, a atriz Natália do Vale abraça Luislinda. Abaixo, a legenda: Natália do Vale enche de mimos a camareira.

No fim da tarde, o site tirou a matéria do ar. Mas o caso Luislinda (ontem e hoje) mostra o óbvio: em matéria de preconceito racial, o Brasil ainda tem muito a superar.

Extraído de Pimenta na Muqueca

Grifos e [ ] são nossos

O depoimento da juíza veiculado na novela

video


A legenda saiu do ar, mas ficou a "errata". (clicar sobre para ler melhor)

O link da errata está AQUI e foi acessado por nós em 06-06-2010
Quisemos copiá-lo caso também saia do ar


Agradecemos a "anônimo/a", no Comentário desta postagem,
que evidenciou para nós sobre a data da "festa" (10 de maio).

Não estando em dia com a Globo, nossa pesquisa
havia nos levado à data do dia 14,
o que fez com que não compreendêssemos (duplamente) a errata.


Filho processará site por legenda errada da mãe
21 de Maio de 2010

... A insatisfação do promotor de Justiça de Sergipe, Luís Fausto Valois, se deve a um vídeo publicado no site, em que sua mãe, a juíza baiana Luislinda Valois, 68, é identificada na legenda como camareira. Nesse vídeo, Luislinda é abraçada pela atriz Natália do Vale, que fez a Ingrid na novela Viver a Vida, da Rede Globo. Quinta-feira (20 de maio), em seu portal, a Associação de Magistrados da Bahia (Amab) divulgou uma nota de apoio e desagravo em virtude do problema. “Nada contra camareiras, até porque minha avó era lavadeira de roupa. Mas vamos ter respeito pelo caminho que cada um traçou. Minha mãe tem 51 anos de serviço”... Ela foi entrevistada no Programa Happy Hour, apresentado por Astrid Fontenelle, da GNT. [Informações do A Tarde.]

--------------------

Juíza baiana lança livro na Bienal de Alagoas
07h51, 05 de novembro de 2009



Com a socióloga Luiza Bairros,
Secretária estadual de Promoção da Igualdade da Bahia

-